Programa Temporada 2008

OCAM participa do 43º Festival de Música Nova

25 de setembro de 2008

Fernando Iazzetta

Urbanas III

Participação especial: Grupo de Percussão da USP

Aylton Escobar

Duas Epígrafes

Valéria Bonafé

Lagoa
1ª audição mundial

Alfred Schnittke

Concerto para piano a 4 mãos e orquestra de câmara

Solistas: Duo Heloisa e Amílcar Zani

Regência: Lutero Rodrigues

É natural que muitos sintam uma rejeição inicial à arte contemporânea, pois é sempre mais difícil percebermos o nosso tempo, o nosso espelho. A arte nos ajuda nesta compreensão, com sua corajosa função de revelar o ser humano através da ‘lente’ dos seus criadores. Neste sexto concerto da Temporada 2008, a OCAM traz, junto ao concerto para piano de Schnittke, obras de três compositores ligados à USP.

Fernando Iazzetta compôs o sexteto Urbanas III em 1991. A partir de um pulso, que coordena toda a peça, os timbres dos instrumentos se superposicionam com pequenos motivos. A obra traz um caráter minimalista, embora essa aproximação não tenha sido a intenção do compositor.

As Duas Epígrafes de Aylton Escobar foram escritas nos anos 80, por sugestão da viúva de Bruno Kieffer. Originalmente eram três miniaturas em uma suíte, cada uma dedicada à memória de grandes compositores brasileiros recém falecidos. O último movimento (à memória de Bruno Kieffer), entretanto, transformou-se em outra obra para grande orquestra de arcos. Nas palavras do compositor, Elegia (à memória de Lindembergue Cardoso) é um “singelo poema envolvido em tristeza; um jeito apagado e lamentoso de relembrar certo canto de Oxalá que o meu saudoso irmão Lindembergue ensinou-me tempos atrás”. Antífona (à memória de Cláudio Santoro) é construída a partir de uma pequena célula da Sonata para Piano n.3 de Santoro; respondendo a doloridos silêncios “sussurra uma velha cantiga de roda” apreciada por Santoro.

Schnittke iniciou seus estudos musicais em Viena, depois mudando-se para a União Soviética. Primeiramente ligado ao serialismo, adotou a postura poli-estilista, misturando e justapondo várias técnicas de composição. Trabalhou em trilhas de desenhos e filmes, tornando-se o compositor soviético mais importante depois de Shostakovich. Schnittke também esteve na lista negra de compositores da URSS, sendo por diversas vezes punido através da burocracia estatal – em 1974, a apresentação de sua Sinfonia n.1 em Moscou foi proibida. O Concerto para Piano a quatro mãos e orquestra de câmara foi escrito em 1988, após seu primeiro derrame, quando chegou ser declarado clinicamente morto por três vezes. O concerto foi dedicado às pianistas Viktoria Postnikova e Irina Schnittke (sua segunda esposa), que tocaram na estréia da obra em 1990. A obra é composta por seis seções em um único movimento, contendo uma citação da Sinfonia n.11 de Shostakovich.

Roberto Rodrigues

LAGOA (2008) – rodrigo – lagoa segue com seus comentários em separado pois são da própria compositora… pode ser na mesma coluna, claro ….

À distância eu olho uma lagoa. Ela permanece parada, estática, comportando apenas leves movimentos animados pelo vento. A água reflete o que está fora e mantém secreto o que lhe é interno. A cor turva da lagoa, dada pela lama e pelo lodo, impede qualquer visão além da superfície. Se eu mergulho na lagoa, descubro todo um universo submerso, escondido; seres de diversas espécies e comportamentos. Essa é a imagem que tenho da peça e por isso o título. Parece-me ter sido uma tentativa de neutralizar o plano das alturas e das durações – que tendem a nortear a escuta costumeira e a encobrir com sua cor turva diferentes níveis de observação – através do congelamento melódico, rítmico e harmônico, e de fazer saltar o plano dos objetos, articulações, timbres, texturas, espessura e massa.

Valéria Bonafé

Valéria Bonafé iniciou seus estudos musicais em 1995 com a professora Silene Barione. Ingressou na Universidade de São Paulo em 2002 no curso de Bacharelado em Piano, na classe da professora Heloísa Zani, com quem estudou até 2005. Em 2006 passou a cursar o Bacharelado em Composição sob orientação do maestro Aylton Escobar e, concomitantemente, passou a estudar composição com o professor Silvio Ferraz. Foi bolsista de Iniciação Científica do CNPq sob a orientação do professor Amílcar Zani Netto (2004-05) e da FAPESP, sob a orientação do professor Marcos Branda Lacerda (2006-07). Em novembro de 2007 participou da I Mostra de Compositores do Departamento de Música da ECA-USP com a peça Tátil, para piano solo, interpretada pelo pianista Daniel Abuassi. Nessa ocasião, foi convidada a compor uma peça para a OCAM a ser estreada no presente concerto. Em 2008, Tátil foi gravada pela pianista Lidia Bazarian no CD Ressonâncias, produzido com o incentivo do Prêmio Estímulo de Música da Secretaria de Estado da Cultura de São Paulo e com lançamento previsto para o mês de dezembro pelo selo LAMI.

Criado em 2007, o Grupo de Percussão da USP é formado pelos alunos do curso de Bacharelado em Percussão do Departamento de Música da Escola de Comunicação e Artes. Participa regularmente das atividades artísticas do Departamento, desenvolvendo intenso trabalho de pesquisa de repertório para grupo de percussão. Em 2007 realizou apresentações no SESC-Consolação, na Universidade Livre de Música, no Museu de Arte Contemporânea e no Memorial da América Latina; apresentando obras consagradas do repertório para grupo de percussão assim como a primeira audição brasileira da obra “Martian Tribes” do compositor Emmanuel Sejourné. Em 2008 realizou apresentação no Teatro Popular do SESI focando as obras de Iazzetta, Victorio, De Mey, Kraft e Trythall. Este grupo está sob a coordenação do professor Ricardo Bologna.

Maestro Lutero Rodrigues

Tendo tido contato com a música desde a infância, estudou violino e mais tarde, piano, concluindo o Curso de Regência na USP, em 1980. Até então havia atuado como regente coral, à frente de vários grupos, destacando-se o Madrigal “Klaus-Dieter Wolff” que recebeu o prêmio de “Melhor Coral do Ano de 1980”, outorgado pela Associação Paulista dos Críticos de Arte (APCA). Nos três anos seguintes, continuou seus estudos na Alemanha, na Escola Superior de Música de Detmold, sob a orientação de Martin Stephani. Durante este período, estudou também com Sergiu Celibidache.

De volta ao Brasil, em 1984, desenvolveu intenso trabalho voltado à formação de músicos, atuando como regente da Orquestra Sinfônica Jovem do Conservatório de Tatuí (1985-1987) e Orquestra Sinfônica Juvenil do Litoral (1984-1991). Durante 12 anos (1986-1998), foi regente da Orquestra de Câmara da Cidade de Curitiba, com a qual realizou várias turnês nacionais e internacionais (México e Dinamarca). Na temporada de 1992, foi também Regente Titular e Diretor Artístico da Orquestra Sinfônica da Paraíba.

Inúmeras vezes coordenou e dirigiu eventos, cursos e festivais de música, destacando-se o Festival de Inverno de Campos do Jordão, do qual foi Diretor Artístico durante 4 anos(1987 a 1990) e as Oficinas de Música de Curitiba.

De 1996 a 2003, foi Regente Titular e Diretor Artístico da Orquestra de Câmara Theatro São Pedro, de Porto Alegre e a partir de 1998, Regente da Sinfonia Cultura – Orquestra Sinfônica da Rádio e TV Cultura – tornando-se também, em 1999, seu Coordenador Musical. Como Regente Convidado, já dirigiu as principais orquestras brasileiras e atuou também no exterior: Alemanha, Costa Rica, México, Espanha e Dinamarca.

Ao final de 2002, foi eleito membro da Academia Brasileira de Música, da qual passou a ocupar a cadeira n.º 36. Tendo regido um amplo repertório internacional (cerca de 45 sinfonias), dedica-se, atualmente e cada vez mais, à pesquisa, divulgação e interpretação do repertório brasileiro. Somando-se toda a sua atividade como regente, já dirigiu cerca de 450 obras da autoria de 130 compositores brasileiros, 100 delas em estréia mundial.

DUO Heloisa e Amilcar Zani

Iniciaram seu trabalho como duo pianístico em Teresópolis, durante o XIX Curso Internacional de Férias da Pró-Arte. A formação pianística semelhante e o interesse comum pela Música de Câmara conduzem sua atividade ao estudo minucioso da produção musical para piano a quatro mãos e dois pianos e, como duo, têm-se apresentado regularmente em inúmeros recitais.

Professores no Departamento de Música da Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo, desenvolvem intenso trabalho didático e de pesquisa nos cursos de graduação e pós-graduação. Entre estas atividades destaca-se o projeto de pesquisa financiado pela FAPESP, que tem como objetivo o estudo, a divulgação e publicação inéditas do material contido na Coleção Clara e Edward Steuermann. Os resultados deste trabalho podem se acessados através do site www. projetosteuermann.usp.br/

Dedicam-se à divulgação de obras de câmara de vários compositores transcritas para piano a quatro mãos, sempre em primeira audição no Brasil. Em julho de 2000 apresentaram a versão feita por Johannes Brahms para piano a quatro mãos, de seu Concerto para Piano e Orquestra op. 15, e em 2001 a versão para piano a quatro mãos da Sinfonia de Câmara op. 9 de Arnold Schoenberg. Em outubro de 2004 realizaram a primeira audição de Die glückliche Hand, de Arnold Schoenberg, em versão inédita de Edward Steuermann para dois pianos, coral e solista. O trabalho do Duo inclui a participação na gravação do CD “A Dança dos Duplos”, do compositor Eduardo Seincman, lançado pelo selo ECA/MAC/FAPESP.

25/09/2008 – SESC Consolação

26/09/2008 – Anfiteatro Camargo Guarnieri

28/09/2008 – MASP

O Sexto Concerto da Temporada OCAM-2008 fez parte da programação do 43º Festival de Música Nova

You Might Also Like